18 visitantes on-line ( Entrar na Sala de Bate-Papo )São Paulo, 20 de novembro de 2017

Hoje somos 143
portadores de RTS
galeria de fotos
Uma imagem vale mais que mil palavras.
Conheça um pouco mais sobre nós !
Depoimentos
Leia os depoimentos que os pais fizeram sobre seus filhos.
Com certeza você vai se identificar com um deles !
Lista de Discussão
Entre para nossa lista de discussão por e-mail e troque idéias e informações com outros pais e profissionais da arts
Dê uma mãozinha
Veja quem já nos deu uma mãozinha.
Faça parte do grupo de amigos da arts
Estatísticas sobre RTS
Acompanhe as estatísticas sobre RTS
Pesquisar no site
Digite as palavras-chave de busca, separadas por vírgula
Clique aquí para busca detalhada
 
 
ARTS
Rua Harmonia 722/81
CEP 05435-000
São Paulo-SP
Brasil
 
(55) (11) 4153-3211
(55) (11) 5631-5062
(55) (11) 3819-2536
 
arts@artsbrasil.org.br
 
Desenvolvimento em Jogo
 
No caminho da Vida, um pequeno tropeço pode impedir que o bebê nasça perfeito. Mas a ciência e o amor, de mãos dadas, oferecem a ele um futuro melhor.

Admitir as limitações físicas e intelectuais de um filho talvez seja uma das tarefas mais penosas para os pais. Mais difícil ainda é temperar a realidade com uma dose certa de esperança, capaz de manter vivas as possibilidades de progressos de uma criança "especial". Esses são os desafios vividos diariamente por pais de meninos e meninas portadores de síndromes-anomalias que afetam cerca de 3% da população mundial.

Os primeiros indicadores de que a criança pode ter uma síndrome nem sempre chamam a atenção de pais e médicos, que chegam a confundi-los com problemas corriqueiros como cólicas intestinais. Geralmente, os sintomas são espasmos, falta de coordenação nos movimentos, regressões na fala, gestos repetitivos e flacidez muscular. Mesmo quando esses sinais são percebidos cedo, é difícil identificar sua causa e chegar a um diagnóstico seguro. Em primeiro lugar, porque as síndromes não são doenças. São um conjunto de sinais que afetam o comportamento, o desenvolvimento mental e físico, Além disso, as pesquisas sobre algumas delas são relativamente recentes e, em cerca de 40%, os especialistas não encontram razões para sua origem. Isso explica por que boa parte das crianças afetadas passa por uma peregrinação nos consultórios médicos, antes de se chegar a um diagnóstico preciso.

Texto extraido da Revista Crescer de junho/2000 (edição 79)
jornalista Cristiane Ballerini
 
Voltar

página inicialdestaquesorganizações & linksarts responde
bate papolista de e-mailsterapiasartigos & matériasdê uma mãozinha
depoimentosarts na mídiagaleria de fotosestatísticaslivro de visitas
pesquisar no siteexamesfale conosco